March 8, 2021
From The Free
276 views


via Kaos en la Red translation thefreeonline

By Redação Paraná – Brasil de Fato Newsroom Paraná – Published 7 Mar, 2021

In Paraná, peasants from the MST prepare food donations to mark International Women’s Day. Actions of March 8 and 14.

The first days of March already marked the month as the worst since the beginning of the covid-19 pandemic in Brazil. A new record of deaths in 24 hours was released on Wednesday (3), with 1,910 victims of the virus, the highest number of deaths worldwide on this date.

It is in this context that peasants from the Landless Rural Workers Movement (MST) start a national day with the theme “Women for life, sowing resistance against hunger and violence”. The mobilizations are in reference to the International Day of the Woman, the 8 of March.

The actions will take place between March 8 and 14 (from Monday to Sunday), across the country. In Paraná, mobilizations are planned in at least 11 cities, with the participation of farmers from dozens of settlements and camps.
Actions will be between 8 and 14 (Monday to Sunday)

This image has an empty alt attribute; its file name is 27d168ecdf3aab9d396ba092091854ba.jpeg

Priscila Facina Monnerat, coordinator of the MST Women’s Collective in Paraná, emphasizes the month of March as the annual period marked by the mobilization of women. This year, the defense of life takes center stage.

“This scenario that we face, of record deaths by covid-19, a lot of violence and insecurity, is the result of a genocidal policy of the Bolsonaro government. What we want is the return of emergency aid, vaccines now and for everyone, and the confrontation of the various forms of violence ”, she demands.

Donations of food, lunchboxes and blood are among the main initiatives prepared in Paraná. “These are ways that we find to express our solidarity and our protest in the face of this scenario that the country faces. We need to continue protecting ourselves collectively from the coronavirus, but finding also collective ways to react to this criminal government ”, says the farmer, who lives in the Contestado settlement, in Lapa.

Donations of 1,000 lunch boxes are being prepared in Londrina and 1,100 in Curitiba, in partnership with the World March of Women, on March 8.

In addition to donations in other locations, they are: 180 baskets of agroecological food to employees of the Castro public hospital; 300 kilos of food to a clinic that serves drug addicts in Lapa; a ton of food to the hospital in Paranavaí; 90 food baskets for families of an association of recyclable material collectors by Francisco Beltrão; bread in Laranjeiras do Sul, and food in Cantagalo and Iguaçu Falls.

This image has an empty alt attribute; its file name is 4536dc1ea1ea04a92c2375796ebab852.jpeg

In Paraná, actions will take place in different cities and regions

The movement is also organizing blood donations, scheduled throughout the week, in blood centers in Curitiba, Londrina, Pato Branco, Boa Ventura de São Roque, Paranavaí and Maringá.

To strengthen the production of food for the continuity of solidarity actions, there will be a collective planting effort in collective agroforestry in the Jardim Alegre and Lapa settlements and the planting of gardens in honor of Marielle Franco, on the 14th, in several cities in the state.

There will be symbolic acts with banners in defense of the Unified Health System (SUS) and for the vaccine now and for the entire population.

The initiatives will be carried out with attention to care against the spread of the coronavirus, with social distance, use of a mask and alcohol gel.
Mobilizations are in reference to International Women’s Day, 8 March

This image has an empty alt attribute; its file name is a36e46cb24faf4cbf96d0214a71d4887.jpeg

For life, against hunger and violence

The defense of life is among the main concerns of landless women, in opposition to the neglect of the Bolsonaro government in facing the pandemic, especially with the lack of vaccines. In all, 261,188 Brazilians have already lost their lives to the disease, which places the country in second place in the number of deaths in the world, behind only the United States.

The denunciation of hunger takes into account the high rates of unemployment. According to the Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE), the economically active population in Brazil is about 100 million people, of these, 14 million are unemployed, six million are discouraged (stopped looking for a job) and 40 million live on beak, without fixed income and with many difficulties to get the basics, especially food.

In addition, the end of emergency aid, the rise in the price of food and cooking gas also hinder the guarantee of food on the table.

When it comes to violence, the pandemic has also become synonymous with worsening. Brazil registered 648 femicides in the first half of 2020, 1.9% more than in the same period of 2019, according to the Brazilian Public Security Forum (FBSP).

In total murders, the growth was 5% in 2020 compared to 2019, after two consecutive years of decline. 43,892 violent deaths were recorded, most of them black people.

This image has an empty alt attribute; its file name is a36e46cb24faf4cbf96d0214a71d4887.jpeg

The defense of life is among the main concerns of women without land

Check out the actions planned by city

Curitiba: preparation and donation of 1,100 lunch boxes on March 8, from the collective Marmitas da Terra and in partnership with the World March of Women; donation of 1,100 lunch boxes on the 10th; blood donation between the 9th and 12th, at Hemobanco; and a planting effort in the agroforestry of the Contestado settlement, in Lapa, on the 13th.
Castro: donation of 180 baskets to health professionals at the city hospital, on the 8th.
Lapa: donation of 300 kilos of food to a clinic that serves drug addicts, on the 8th.
Londrina: production and distribution of 500 lunch boxes on the 8th and 500 on the 9th; blood donation at the UEL Hemocenter on the 8th, 9th and 10th, with the participation of 50 people in total. In several cities in the northern region, gardens will be planted in honor of Marielle Franco on the 14th.
Paranavaí: Blood donation throughout the week and donation of a ton of food to the regional hospital on the 8th.
Maringá: Blood donation.
Francisco Beltrão: donation of 90 food baskets to families of an association of recyclable material collectors, on the 8th. In several cities in the region, blood will be donated throughout the month of May.
Laranjeiras do Sul: donation of breads, cakes and cookies to vulnerable families on the 8th.
Iguaçu Falls: donation of food to Casa do Idoso, on the 8th.
Guarapuava: blood donation on the 8th.
Boa Ventura de São Roque: blood donation throughout the week.

Source: BdF Paraná

Edition: Lia Bianchin

by Kaos en la Red

Brasil-Mulher-Solidariedade. MST no 8M

Por Redação Paraná – Brasil de Fato Publicado el 7 Mar, 2021

No Paraná, camponesas do MST preparam doações de alimentos para marcar Dia Internacional da Mulher. Ações de 8 e 14 de março.


Os primeiros dias de março já cravam o mês como o pior desde o início da pandemia da covid-19 no Brasil. Um novo recorde de mortes em 24 horas foi divulgado na quarta-feira (3), com 1.910 vítimas do vírus , o maior número de óbitos em todo o mundo nesta data. É nesse contexto que camponesas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) iniciam uma jornada nacional com o tema “Mulheres pela vida, semeando a resistência contra a fome e as violências”. As mobilizações são em referência ao Dia Internacional da Mulher, o 8 de março.

As ações serão entre 8 e 14 (de segunda a domingo) de março, em todo o país. No Paraná, estão previstas mobilizações em pelo menos 11 cidades, a partir da participação de agricultoras de dezenas de assentamentos e acampamentos.

Priscila Facina Monnerat, coordenadora do Coletivo de Mulheres do MST no Paraná, enfatiza o mês de março como o período anual marcado pela mobilização das mulheres. Neste ano, a defesa da vida ganha centralidade. “Este cenário que enfrentamos, de recordes de mortes pela covid-19, muita violência e insegurança, é resultado de uma política genocida do governo Bolsonaro. O que queremos é o retorno do auxílio emergencial, vacinas já e para todos, e o enfrentamento das várias formas de violência”, defende.

Doações de alimentos, de marmitas e de sangue estão entre as principais iniciativas preparadas no Paraná. “Essas são formas que encontramos de expressar nossa solidariedade e nosso protesto diante deste cenário que o país enfrenta. Precisamos seguir nos protegendo coletivamente do coronavírus, mas encontrando formas também coletivas de reagir a esse governo criminoso”, afirma a agricultora, moradora do assentamento Contestado, na Lapa.

Estão sendo preparadas as doações de mil marmitas em Londrina e 1,1 mil em Curitiba, em parceria com a Marcha Mundial de Mulheres, no dia 8 de março. Além de doações em outras localidades, são elas: 180 cestas de alimentos agroecológicos a funcionários do hospital público de Castro; 300 quilos de alimentos a uma clínica que atende dependentes químicos na Lapa; uma tonelada de alimentos ao hospital de Paranavaí; 90 cestas de alimentos para famílias de uma associação de catadores de material reciclável de Francisco Beltrão; pães em Laranjeiras do Sul, e alimentos em Cantagalo e Quedas do Iguaçu.

O movimento está organizando também doações de sangue, marcadas ao longo de toda a semana, em hemocentros de Curitiba, Londrina, Pato Branco, Boa Ventura de São Roque, Paranavaí e Maringá.

Para fortalecer a produção de alimentos para a continuidade das ações de solidariedade, haverá mutirão de plantio em agroflorestas coletivas em assentamentos de Jardim Alegre e da Lapa e plantio de jardins em homenagem a Marielle Franco, no dia 14, em diversas cidades do estado. Haverá atos simbólicos com faixas em defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) e pela vacina já e para toda a população.

As iniciativas serão realizadas com atenção aos cuidados contra a disseminação do coronavírus, com distanciamento social, uso de máscara e álcool em gel.

Pela vida, contra a fome e as violências 

A defesa da vida está entre as principais preocupações das mulheres Sem Terra, em oposição ao descaso do governo Bolsonaro com o enfrentamento à pandemia, em especial com a falta de vacinas. Ao todo, 261.188 brasileiros já perderam a vida para a doença, o que coloca o país em segundo lugar no número de mortes no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

A denúncia da fome leva em conta os altos índices de desemprego. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população economicamente ativa no Brasil é de cerca de 100 milhões de pessoas, dessas, 14 milhões estão desempregadas, seis milhões estão em desalento (deixaram de procurar emprego) e 40 milhões vivem de bico, sem renda fixa e com muitas dificuldades de conseguir o básico, principalmente alimentação.

Somado a isso, o fim do auxílio emergencial, a alta no preço dos alimentos e do gás de cozinha também dificultam a garantia de comida na mesa.

Quando o assunto é violência, a pandemia também virou sinônimo de piora. O Brasil registrou 648 feminicídios no primeiro semestre de 2020, 1,9% a mais que no mesmo período de 2019, segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP).

No total de assassinatos, o crescimento foi de 5% em 2020 na comparação com 2019, depois de dois anos consecutivos de queda. Foram registradas 43.892 mortes violentas, a maior parte delas de pessoas negras.

A defesa da vida está entre as principais preocupações das mulheres Sem Terra


Confira as ações previstas por cidade

  • Curitiba: preparação e doação de 1,1 mil marmitas no dia 8 de março, a partir do coletivo Marmitas da Terra e em parceria com a Marcha Mundial de Mulheres; doação de 1,1 mil marmitas no dia 10; doação de sangue entre os dias 9 e 12, no Hemobanco; e mutirão de plantio nas agroflorestas do assentamento Contestado, na Lapa, no dia 13.
  • Castro: doação de 180 cestas para profissionais da saúde no hospital da cidade, no dia 8.
  • Lapa: doação de 300 quilos de alimentos para uma clínica que atende dependentes químicos, no dia 8.
  • Londrina: produção e distribuição de 500 marmitas no dia 8 e de 500 no dia 9; doação de sangue no Hemocentro da UEL nos dias 8, 9 e 10, com participação de 50 pessoas no total. Em diversas cidades da região norte haverá plantio de jardins em homenagem a Marielle Franco, no dia 14.
  • Paranavaí: Doação de sangue ao longo da semana e doação de uma tonelada de alimentos ao hospital regional no dia 8.
  • Maringá: Doação de sangue.
  • Francisco Beltrão: doação de 90 cestas de alimentos para famílias de uma associação de catadores de material reciclável, no dia 8. Em diversas cidades da região haverá doação de sangue ao longo de todo o mês de maio.
  • Laranjeiras do Sul: doação de pães, cucas e bolachas a famílias em situação de vulnerabilidade, no dia 8.
  • Quedas do Iguaçu: doação de alimentos para a Casa do Idoso, no dia 8.
  • Guarapuava: doação de sangue no dia 8.
  • Boa Ventura de São Roque: doação de sangue ao longo da semana.

Fonte: BdF Paraná

Edição: Lia Bianchin




Source: Thefreeonline.wordpress.com