April 17, 2021
From Center For Stateless Society
317 views


De Nick Ford. Artigo original: Back to Basics: What is Agorism and Counter-Economics? de 2 de setembro de 2016. Traduzido para o português por Iann Zorkot.

I: O que é agorismo?

Há muito do que eu chamaria de discussão “201” sobre agorismo neste simpósio, mas acho útil dar um passo atrás e garantir que não deixemos que alguns dos fundamentos sejam sub-analisados.

Por exemplo, o que é contra-economia? O que conta como atividade contra-econômica e o que não conta? A intenção importa quando analisamos ações contra-econômicas passadas, presentes ou futuras? O agorismo é uma filosofia ou uma estratégia?

Por uma questão de tempo e espaço, vou me concentrar amplamente na primeira e na última pergunta no momento, mas também vale a pena considerar essas outras questões.

Para ser claro, não me considero um agorista e apenas me considero alguém que se sente qualificado para apresentar as idéias e apresentar os prós e os contras delas. E embora eu sinta que há vantagens consideráveis nas estratégias e ideias do agorismo, não subscrevo totalmente as ideias de Samuel Edward Konkin III (SEK III).

Em termos de definição de agorismo, etimologicamente falando, agorismo vem da palavra grega “ágora”, que significava mercado, então agorismo significa literalmente mercado-ismo.

Para uma definição mais precisa, SEK III o definiu como:

“a integração consistente da teoria libertária com a prática contra-econômica; um agorista é alguém que age consistentemente pela liberdade e em liberdade.”

Outros definiram agorismo mais simplesmente como “anarquismo revolucionário de mercado” e a Wikipedia diz que é uma “…filosofia política libertária revolucionária que defende o objetivo de criar uma sociedade na qual todas as relações entre as pessoas sejam trocas voluntárias por meio da contra-economia, engajando-se assim em aspectos da revolução pacífica.”

As definições são complicadas e dependem muito de negociações e renegociações com a cultura maior, de modo a afirmar qualquer tipo de significado convincente. Sem nenhuma dessas coisas, a ideologia se torna uma ferramenta inútil e social. E se estamos buscando qualquer tipo de revolução, é algo a evitar a todo custo.

Dito isso, não acho que nenhuma dessas definições seja útil de fato, porque elas exigem discussões mais profundas sobre o que é libertarianismo, o que é consistente com ele, a importância da própria consistência etc., mas são pontos de partida decentes de qualquer forma.

Mas, embora isso possa ser ruim para quem quer teorizar sobre o agorismo ou usá-lo como um rótulo para si, acho que vale lembrar que a maioria das definições tende a encontrar problemas semelhantes. O anarquismo poderia simplesmente ser definido como uma filosofia que advoga o fim do governo. Mas então o que é governo? Qual é a melhor maneira de acabar com ele?

Não me lembro da última vez que contei a alguém que eu era anarquista e eles olharam para mim e disseram: “Ah sim, claro, um anarquista!” e esse foi o fim da conversa, mesmo entre outros anarquistas.

Outro esclarecimento a ter em mente: agorismo e contra-economia são coisas diferentes.

O agorismo inclui a contra-economia como a filosofia que a contra-economia tem como estrutura. E isso faz sentido quando o agorismo é entendido como a filosofia e a contra-economia a tática, mais sobre isso mais tarde.

Aqui está o meu melhor argumento sobre uma definição de agorismo, para ajudar a diferenciação a ser um pouco mais clara:

Uma filosofia cujos defensores são anarquistas (também chamados de “novos libertários”), na tradição de SEK3, que defendem a contra-economia (isto é, o estudo e a prática de relações econômicas que são contrárias à “ordem” capitalista de Estado em vigor) como uma dos muitos meios para um mercado mais livre, livre das restrições do capitalismo de estado.

Eu acrescentaria que os agoristas veem uma economia de mercado que tende a trabalhar por conta própria e a firmas horizontalizadas, em oposição a firmas hierarquizadas e centralizadas. Eles usam uma mistura de análises clássicas da Economia Austríaca e da Esquerda-Rothbardiana para chegar a essa conclusão. E quando se trata de estratégia, os agoristas se opõem ao voto e preferem construir instituições para que o Estado seja abolido.

Aqui estão alguns dos pontos principais que retiro do agorismo:

•Ênfase na contra-economia, tanto como estudo quanto como tática;

•Ênfase na revolução pacífica através de instituições alternativas;

•Ênfase no uso da economia austríaca no estudo da contra-economia;

•Ênfase na consistência ideológica;

•A descrença na política parlamentar é geralmente absoluta;

•Ênfase em abordagens não científicas da teoria e aplicação da teoria.

II: Contra-economia: uma tática ou uma filosofia?

A contra-economia é apenas uma tática ou também é outra coisa? E além disso, o agorismo é uma tática ou uma filosofia?

Acredito que a contra-economia é uma tática e uma filosofia, enquanto o agorismo é apenas uma filosofia. O agorismo é uma filosofia ou ideologia, porque não é apenas uma ideia de como ir daqui para lá, é uma ideia de como viver e identificar em que estamos vivendo, como sair dessa condição e com o que essa vida poderia parecer. Portanto, o agorismo não é apenas uma tática, porque, se fosse, não prescreveria e descreveria tantas coisas, nem conteria tantos componentes, como economia austríaca, contra-economia e assim por diante.

A contra-economia é definida por Konkin no Manifesto do Novo Libertário como “Uma explicação de como as pessoas preservam suas riquezas e propriedades do Estado…”, mas também é “atividade contra-econômica” quando as pessoas “evitam e desafiam o estado…”.

Com efeito, isso significa que a contra-economia é um estudo e uma prática.

No MNL, Konkin escreve que, uma vez que o MNL é em si uma teoria contra-econômica, quando ele fala de contra-economia no MNL, está se referindo à prática. Konkin esclarece ainda que esse também é o caso de Uma Cartilha Agorista quando diz que:

“Um Contra-Economista é: 1. Qualquer pessoa que pratica um ato contra-econômico; 2. Quem estuda tais atos. Contra-economia é (1) o estudo e/ou (2) a prática de atos contra-econômicos.”

Além disso, a contra-economia é definida por todos aqueles que cometem ações não agressivas contra terceiros na busca de lucro às custas do estado. Portanto, um contra-economista e a ideia de contra-economia em geral são uma prática ou um estudo, mas os dois também não são mutuamente exclusivos.

O fato de a contra-economia existir tanto como estudo quanto como prática significa que a ideia é aplicável tanto em termos de como viver e estruturar a vida de uma pessoa, mas também (e o que é mais frequentemente usado) como chegar daqui para lá. Como tal, a contra-economia é sobre como passar da atual sociedade estatista para uma sociedade livre, onde os mercados auxiliam relações mutuamente benéficas.




Source: C4ss.org