May 6, 2021
From Center For Stateless Society
321 views


De Jesse Baldwin. Artigo original: Black Market Mutualism and the Soul of Society de 8 de abril de 2018. Traduzido para o português por Iann Zorkot.

Quando os anarquistas falam sobre ação contra-econômica, pensamos em trocar bens e serviços independentemente da jurisdição do estado. Nosso objetivo é pressionar os limites do estado regulatório. Não importa se nossos esforços são ilegais per se. Legalidade não é uma receita moral.

Uma preocupação adequada com o fortalecimento institucional é incomum na filosofia contra-econômica. O mercado negro é o caos descoordenado que os céticos do mercado insistem que é o resultado inevitável dos mercados livres e eles podem argumentar convincentemente contra o anarquismo de mercado nessa base. Os mercados negros não são afetados pelas regulamentações governamentais, sim. Em seu lugar, no entanto, temos gangues violentas disputando o poder em um mundo de competição assimétrica Dog-eat-dog(1). Por que devemos esperar que as sociedades anarquistas de mercado sejam diferentes?

Isso significa que temos trabalho a fazer. Não podemos simplesmente participar do mercado negro e esperar que as trocas mútuas nos libertem da opressão governamental. Uma consciência moral anarquista deve governar nossa participação nos mercados negros. Devemos mudar nosso foco de ação econômica que ignora o estado, para ação econômica que frustra o estado.

Mercados próprios

O livre mercado não é apenas uma abstração de relações sociais não regulamentadas que esculpem qualquer sociedade em um modelo pré- determinado. Construímos mercados como atores conscientes e é importante considerar as implicações mais profundas de qualquer estratégia que perseguimos. Poderíamos, por exemplo, desconsiderar os mercados negros e trabalhar com os governos para levar a economia a estados de existência cada vez mais liberalizados, mas há boas razões para que geralmente evitemos essa estratégia. Existem sérias preocupações que surgem com o trabalho dentro do sistema político que existe hoje. Programas de “privatização” atrasados que dão controle monopolista das funções do governo a compradores capitalistas não avançam no projeto anarquista de mercado, apesar de serem tecnicamente “pró-mercado”. Em vez disso, os programas de desregulamentação reescrevem regras regulatórias para privilegiar atores politicamente conectados, assim como as relações de propriedade privada existentes remodelaram a teoria jurídica feudal para dar mais poder a uma nova nobreza econômica.

Deveríamos praticar o direito de desconsiderar a lei por esses motivos e muito mais, mas devemos fazê-lo de uma maneira que seja consciente e não oportunista. Meu traficante de drogas não é um herói agorista konkiniano resistindo ao governo. Ele faz o que tem que fazer para obter sucesso independentemente. No interesse de encaminhar uma revolução moral para um verdadeiro liberalismo de mercado, quero esboçar uma ideia geral para que possamos trabalhar no sentido de sua aproximação prática. Vital para preservar a liberdade e os interesses harmônicos é equilibrar os domínios da comunidade e da propriedade. Essas esferas da vida social se sobrepõem, mas nunca devem consumir a outra. O capitalismo universalizou a propriedade privada. Tornou a propriedade um status privilegiado para aqueles com poder suficiente para comandá-la. É por isso que não podemos recorrer ao mercado livre sem também produzir os bens comuns. Aqui está como sua inclusão mútua deve ser:

1- Distribua as necessidades básicas fora do nexo monetário, tanto quanto possível. Associações comunais podem agrupar serviços opcionais com bens não excludentes como condição para a associação aqui. Garantir direitos comuns de acesso à terra. Ninguém quer encontrar a propriedade privada de alguém a cada cinco passos que caminha. Por exemplo, um proprietário ausente não tem o direito de dizer a alguém que não pode acampar em uma floresta.

2- Mercados existem para disseminar informações, racionar escassez e fornecer às pessoas meios de vida livres do domínio do poder comunitário. Deveríamos aceitar direitos de propriedade, mas com protocolos de abandono determinados ad hoc. Isso é neutro a qualquer teoria da propriedade, exceto pelo pressuposto de que a propriedade privada é tão legítima quanto os direitos à terra comum (e vice-versa). Quando a propriedade não é adquirida através da violência e da privação de recursos, não há rejeição a princípios de “propriedade privada”. Existem bancos mútuos e sistemas de compensação de crédito para comunidades que precisam deles. Os “bancos livres” e a concorrência no fornecimento de crédito poderiam facilitar o acesso das pessoas ao capital, com as associações comunitárias de ajuda mútua fornecendo a base igualitária na qual todos podem participar de mercados competitivos. Quando os trabalhadores não trabalham sob as condições de “trabalhar ou morrer de fome”, eles podem negociar salários que, na sua percepção, os compensam pela desutilidade de realizar o trabalho. O pagamento pela mão-de-obra deve ser um meio de viver melhor, não um meio de obter lucro para outra pessoa, enquanto apenas você se esfola.

Dessa maneira, a participação no mercado é justa e a acumulação de capital tende a um padrão igualitário. A competição é universalizada de tal maneira que nada mais é do que a cooperação mais verdadeira: o teste de forças que resulta em sua utilização vantajosa. Temos uma vantagem sobre o comunismo em não exigir uma solução esotérica para o cálculo econômico e os problemas de conhecimento. Também não temos o reinado de tiranos privados vivendo em altas torres, construídas sobre o sofrimento e esforço dos despossuídos que atormentam o capitalismo. Temos mutualismo: o equilíbrio de interesses; neste caso, o equilíbrio das forças econômicas. Para conseguir isso, temos que refletir sobre quais instituições podem proteger os atores rebeldes do mercado da perseguição legal. Deveríamos prestar atenção na “federação agroindustrial” de Pierre-Joseph Proudhon em “Do Princípio Federativo” para um modelo promissor.

“O objetivo do feudalismo industrial e financeiro é confirmar, por meio do monopólio dos serviços públicos, privilégios educacionais, a divisão do trabalho, juros sobre capital, tributação desigual e assim por diante, a neutralização política das massas, trabalho assalariado ou servidão econômica, em curta desigualdade de condição e riqueza. A federação agroindustrial, por outro lado, tenderá a promover uma igualdade crescente, organizando todos os serviços públicos de maneira econômica e em outras mãos que não as do Estado, através do mutualismo em crédito e seguro, a equalização da carga tributária, garantindo o direito ao trabalho e à educação, e uma organização do trabalho que permita que cada trabalhador se torne um trabalhador qualificado e um artista, cada assalariado se torne seu próprio mestre.”

Usaremos a federação agroindustrial como base para nossa ressurreição da economia do mercado negro. Primeiro, precisamos refletir sobre o que essa proposta significa. Há uma divisão interpretativa entre mutualistas “neoproudonianos” e anarquistas de mercado. Eles contestam a integração de mercados de Proudhon em seu pensamento político. Os neoproudonianos são céticos em relação aos usos anticapitalistas de livre mercado de seu trabalho. Por outro lado, os anarquistas de mercado presumem que a apresentação de Benjamin Tucker da obra de Proudhon represente com precisão seu projeto político. Acho que nós dois estamos cometendo erros evitáveis aqui. É necessário prestar muita atenção à atitude política de Proudhon para resolver essa tensão. Do mesmo texto:

“Como uma variedade do regime liberal, mencionei a anarquia – o governo de cada um por si mesmo, o autogoverno. Como a frase governo anárquico envolve uma espécie de contradição, a coisa parece impossível e a ideia absurda. No entanto, não há nada para encontrar falhas aqui, a não ser a linguagem; politicamente, a ideia de anarquia é tão racional e concreta quanto qualquer outra. O que isso significa é que as funções políticas foram reduzidas a funções industriais e que a ordem social surge de nada além de transações e trocas. Cada um pode então dizer que ele é o governante absoluto de si mesmo, o polo oposto do absolutismo monárquico.”

Proudhon gosta de experimentar conceitos e seu conceito de anarquia não é exceção. Isso cria dificuldades interpretativas infelizes. Podemos admitir que a apresentação de Benjamin Tucker de “Os Quatro Monopólios” – como se fosse um resumo do trabalho econômico de Proudhon – foi seletiva.

Os anarquistas costumam citar Proudhon “como deles” para justificar disposições políticas contraditórias. O que é surpreendente é que seu resumo final do anarquismo é anarquista de mercado em espírito. Mais interessante é que ele caracterizou o anarquismo dessa maneira tão tarde em seu trabalho filosófico. Isso não significa que devemos rotular Proudhon como um anarquista de mercado e reivindicá-lo como nosso. Mas, de qualquer forma, sua obra fornece uma base significativa para uma aplicação anarquista de mercado.

Anarquismo de Mercado Dialético

Voltaremos ao capítulo 6 de “ A filosofia da miséria “, de Proudhon, para ilustrar, por exemplo, os complicados movimentos conceituais críticos ao pensamento de Proudhon. O capítulo flui como uma conversa em desenvolvimento. Devemos evitar extrair citações arbitrárias que atendam a nossos preconceitos ideológicos.

Primeiro, ele afirma que o resultado da competição é monopólio, e esse monopólio é a base de nossa civilização. Ele diz que esse monopólio possui um “direito” com base em sua eficiência. Devemos observar que o conceito de “monopólio” de Proudhon é amplo o suficiente para implicar que a propriedade de uma polegada quadrada de terra é equivalente a possuir uma indústria inteira. A competição é o equilíbrio dos monopólios, não a antítese deles. Depois de declarar os benefícios do monopólio e seus direitos, ele considera os vários abusos do monopólio da propriedade e o ponto em que o monopólio se torna uma antítese destrutiva da civilização. Sua análise o leva a se opor ao monopólio. Sua resolução dessas tensões em jogo é um desenvolvimento inicial do que mais tarde ele chamou de federação agroindustrial. Ele critica os socialistas que defendem o monopólio estatal como a solução para os problemas incorridos pelo monopólio privado, concluindo que os socialistas estatatistas estão apenas perdendo seu tempo.

Nossa discussão sobre o mercado negro, a natureza do livre mercado e a natureza da federação agroindustrial encontra uma ponte nessa análise. Precisamos ter cuidado aqui. Proudhon está descrevendo a anarquia em termos de sua forma política ideal, não sua realidade aproximada. O texto que estou usando – como se fosse uma caixa de ferramentas – se preocupa com essa distinção.

Com isso em mente, digamos que acreditamos no livre mercado. Podemos imaginar isso em nossa cabeça, aproximadamente, e dizer que a sociedade deve avançar em direção a esse ideal. Como é sua aproximação? Parece a federação agroindustrial. Por duas razões:

1- Embora a federação agroindustrial, para um orgulhoso, não seja definitivamente um mercado livre, é o equilíbrio das forças econômicas que alcança nossos objetivos melhor do que a verdadeira vinda do mercado. Essa distinção faz sentido se pensarmos nos anarquistas de mercado como defensores de uma força culturalmente imperialista – consciente ou não – que invada todos os aspectos de nossas vidas. Ainda operando “livremente” e sem restrições, mas com total resolução. Introduzir mercados em um contexto anarquista não faz da sociedade um mercado integrado – a McSociety, se você preferir. Significa valorizar as forças do mercado em nossas atividades econômicas cotidianas. Enquanto a atividade de mercado é regulada pelas pessoas que participam da sociedade, e não pela regulamentação do governo, esse sistema é favorável aos mercados livres. Não há incompatibilidade estrita aqui

2- Hoje, os mercados são organizados em linhas institucionais muito específicas, mas devemos questionar se o sistema de mercado poderia ser construído de outra maneira. Assim como não podemos ver o capitalismo – um sistema em que o capital está concentrado nas mãos de uma classe de propriedade relativamente autônoma – como uma instituição compatível com o livre mercado, não podemos falar sobre “livre mercado” sem assumir funções institucionais internas que o tornem viável e livre. Não posso criar um mercado de escravos, intocado por um aparato regulatório, e proclamar que estou praticando o ideal libertário de livre mercado. Os arranjos institucionais não são meramente incidentais à dinâmica do mercado, são sua própria substância. Falar sobre mercados livres é falar sobre um corpo de instituições que conduzem à liberdade. Desta forma, o anarquismo de mercado é um programa positivo para a organização das forças econômicas – uma preocupação devidamente enfatizada por Proudhon em Ideia Geral da Revolução no século XIX.

Economias de escala distribuídas

Kevin Carson escreveu sobre a revolução neotécnica em grandes detalhes. O século XIX deveria ter passado de uma mudança de manufatura em grande escala, com uso intensivo de capital, para uma dinâmica de produção amigável e artesanal de baixo custo. Sua análise se concretiza em seu grande trabalho Teoria da Organização e fornece as bases para seu material posterior. A Revolução Industrial Caseira fornece um modelo mais extenso de como podemos recuperar a revolução tecnológica traída nesta época. Um princípio central une os dois trabalhos: existem grandes economias de escala em ambientes contingentes. Em outras palavras, os ambientes são tomados como dados por quem os elogia.

A eficiência de fabricar milhões de produtos padronizados com baixos custos unitários de produção só é válida quando; 1. Os custos de distribuição da compensação de grandes estoques são baixos o suficiente e 2. Existem mercados conectados globalmente para atender aos níveis artificiais de demanda exigidos, utilizando a capacidade ociosa do maquinário. O não cumprimento dessas condições leva a uma crise econômica de subconsumo, um evento que ainda acontece na economia capitalista atualmente existente. Esta é uma observação que a economia keynesiana identifica (um pouco) corretamente. Nós, não keynesianos, podemos dizer que é um problema de oferta agregada ser muito alta, não de demanda agregada ser muito baixa.

O anarquismo de mercado é uma sociedade em que os atores econômicos devem internalizar os custos de suas ações e, portanto, não podem incluir totalmente os lucros para si mesmos. Sem títulos rígidos de propriedade e normas de propriedade intelectual, a sociedade desfrutará de sua atividade produtiva, independentemente de você gostar. Podemos comparar esse cenário com os problemas do “free rider” levantados em economia. É tentador descartar essas preocupações de imediato. Nós ouvimos isso repetidamente, mesmo que os problemas do free rider tenham soluções claras. As empresas de TV e as estações de rádio encontraram maneiras de operar de maneira economicamente vantajosa como bens públicos. Os bens comuns históricos nunca foram sistemas de acesso aberto, onde o inconsciente podia suportar tudo, mas eram um pacote de tarefas e recompensas. Atualmente, o GNU / Linux e o ecossistema de software livre são mais uma evidência de que o uso gratuito é socialmente benéfico. Tendo isso em mente, é fácil sentir-se cínico. Ver apenas uma reclamação de que os mercados têm uma tendência natural de socializar a riqueza. Quando os mercados estão livres de interferências capitalistas, essa é sua tendência natural.

Precisamos repensar as bases organizacionais da sociedade para realizar esses ideais. Mercados livres são uma ideia revolucionária: a infraestrutura institucional vital, como é construída hoje, não é compatível com o anarquismo de mercado. Se considerarmos o trabalho de Carson, devemos prever uma descentralização rápida da economia de mercado. Uma economia em que os custos de participação na produção são baixos e os meios para obter capital são fáceis e quase onipresentes. O resultado desejado é uma economia de artesãos independentes e empresas de propriedade de trabalhadores, reunindo seu capital em uma associação fluida, em vez de empresas de responsabilidade limitada que jogam roleta de lucro. Na terra da aproximação, podemos admitir a possibilidade de empresas pequenas, mas hierárquicas, que se parecem com microempresas. A aparência exata desse estado de coisas depende de nossos valores culturais. Esteja disposto a excluir, boicotar, desonrar ou competir diretamente com as formas organizacionais que consideramos indesejáveis. A liberdade genuína é conscientemente construída e deve ser ativamente mantida. É um relacionamento cultural que requer um corpo de consciência que respeite as pessoas o suficiente para fazer o bem por elas. O mercado é regulado por forças culturais no coração. Não somos cães dóceis que consomem sem pensar o que nossos mestres capitalistas produzem.

Nem todas as indústrias, no entanto, são facilmente construídas por indivíduos atomizados que fazem contratos e trocam bens e serviços. Uma questão importante aqui é a das fábricas de microchips e as dificuldades tecnológicas em descentralizar a produção de bens como esses. No entanto, não precisamos jogar nossas fichas na mesa e criar redes suicidas modeladas pela Foxconn. Temos opções compatíveis com os princípios anarquistas de organização distribuída e ceticismo de hierarquia. Podemos:

1- Tomar a decisão, como sociedade, de coletivizar a produção de fábricas intensivas em capital e tratar os trabalhadores como seres humanos. Esta não é uma proposta comum para anarquistas de mercado, mas, em princípio, nossa objeção é à coletivização forçada. Não coletivização por contrato livre e troca participativa.

2- Criar uma federação bem localizada de pequenas unidades de produção que competem / cooperam no contexto de uma sociedade que estamos imaginando e teste se elas podem corresponder às virtudes da produção de plantas em larga escala sem transformar a indústria na fábrica disciplinar da miliHitler.

Declarada nesses termos, a federação do mercado negro requer pouco em termos de planejamento prefigurativo. Enquanto as pessoas tiverem objetivos e um desejo de alcançá-los, não haverá instituições específicas generalizadas, necessariamente requiridas para que algo seja feito em particular. Deixar em aberto um espaço experimental para meios alternativos de coordenação é propício a um ethos anarquista.

Pinte a Federação de Preto

Há quatro anos, o C4SS publicou um ensaio meu que afirmava que os mercados da darknet eram indicativos de uma crescente “correção do mercado negro” que poderia nivelar as desigualdades e escassez atualmente presentes na economia do mercado negro. Os atores do mercado negro criaram uma Amazon para drogas, dedicada ao fornecimento de todos os bens não aprovados por nossos mestres acima. Podemos extrair lições importantes de seu destaque e sucesso contínuos.

A regulamentação nos mercados da darknet foi aplicada por meio de regras culturais baseadas nas idéias de reciprocidade “uma mão lava a outra”. Um elemento de bem-estar social surge entre os pontos de troca de mercado e os fóruns de boletins onde os consumidores se socializam. É educado dar aos fornecedores o benefício da dúvida. Se o seu pacote chegou em condições menos que perfeitas, você geralmente atribui a ele uma classificação “boa” independentemente. Especialmente se o fornecedor for novo. Novos fornecedores enviam amostras de pacotes para provar que seus produtos são legítimos. O mercado das pessoas as inunda de capital de reputação. Para colocá-los em pé com seus próprios pés. Isso foi aprimorado pelos mecanismos de prestação de contas: os mercados darknet possuem serviços de resolução de disputas para casos extremos. O boca a boca é mais destrutivo aqui do que na economia capitalista formal. Hoje, uma empresa pode resistir à maioria das pressões do mercado, reclamações dos consumidores e escândalos por meio de seu poder absoluto e participações de capital preexistentes para se recuperar de praticamente qualquer crise.

Embora os mercados da darknet possuam uma barreira de entrada no mercado (taxas de entrada de fornecedores) para impedir inundações de golpistas e honeypots, o campo de concorrência é grande o suficiente para que mesmo fornecedores populares de “go-to” estejam apenas começando recomendações. Muito diferente da corporação capitalista, eles não infringem seus concorrentes. Não há regulamentos contra guerras de preços, leis antitruste, patentes ou ações coletivas aqui. Os custos de compra de todos, quando a participação no mercado é alta, são enormes demais para ser uma opção viável. É pelo fato de os mercados da darknet sustentarem as pessoas com um bem-estar de reputação que isso é verdade. Essa é uma característica surpreendente ao considerar que os fornecedores da darknet ainda precisam de capital de investimento da economia capitalista em uma condição de escassez artificial. Só podemos sonhar com um sistema anarquista de bancos liberalizados, competição pluralista em dinheiro e ajuda mútua criariam em termos de justiça e riqueza compartilhada.

O Silk Road original era um projeto moral, não apenas oportunista. Ross Ulbricht era um libertário comprometido e queria ver as virtudes do livre mercado praticadas aqui e agora. Para arriscar simplificar essas instituições, os mercados da darknet operam como uma federação econômica e funcionam porque não são formas institucionais rígidas. A organização das forças econômicas – o tratamento de pacotes de necessidades com outros serviços opcionais – é uma história de sucesso para resistir à pobreza moral que permeia as condições do mercado negro do mundo real. O princípio institucional que os mercados negros devem organizar é a federação participativa de serviços econômicos.

É preciso uma mente mais criativa do que a minha para imaginar completamente como aplicar esse princípio ao mundo em geral e desfazer os danos causados pelo oportunismo do mercado negro. No entanto, os projetos já estão disponíveis, apenas aguardando para serem utilizados no mundo hoje. Só é preciso um compromisso consciente para expandir seu potencial. Devemos assumir o manto como atores de mercado, em vez de imaginar “atores de mercado” abstratos que possuam tendências embutidas para apenas realizar determinadas atividades.


Notas do Tradutor:

1- usado para descrever uma situação em que as pessoas farão qualquer coisa para obter sucesso, mesmo que o que elas façam prejudique outras pessoas.




Source: C4ss.org