January 19, 2021
From Center For Stateless Society
286 views


De Kevin Carson. Artigo original: Are We All Mutualists? de 8 de novembro 2015. Traduzido para o português por Iann Zorkot.

Cabe a mim, nesta saudação de abertura de um simpósio sobre a possessão da terra por ocupação e uso, também conhecida como propriedade usufrutória, escrever uma defesa dela. Seus defensores teóricos remontam, de alguma forma, pelo menos a Godwin e Paine na tradição ocidental. Tenho certeza de que também foi defendido por escritores ocidentais anteriores, bem como por não-ocidentais dos quais não tenho conhecimento. Fui exposto a isso principalmente por meio dos argumentos do anarquista individualista Benjamin Tucker em seu jornal Liberty, e por meio de Josiah Warren e Joshua King Ingalls (de quem, junto com Proudhon, o próprio Tucker obteve a doutrina). A ideia básica é que não apenas a terra deve ser ocupada e colocada em uso para ser legitimamente apropriada, mas a ocupação continuada é necessária para manter a propriedade (com óbvias exceções de bom senso para viajar, deixar algumas terras periodicamente permanecerem em pousio e assim por diante).

Embora eu tenha promovido a ocupação e uso de forma muito mais estrita e intransigente em meus dias mais jovens e menos tranquilos, neste artigo estarei enfatizando suas áreas de comunalidade com outras ideias libertárias de posse da terra.

I. A Palavra com “P”

Antes mesmo de começar a abordar diferenças substantivas entre os sistemas de ocupação e uso e outros direitos de propriedade, preciso esclarecer algumas diferenças semânticas sobre a palavra “propriedade”. As dificuldades surgem principalmente de certos anarquistas sociais cuja reação automática a qualquer uso da palavra “propriedade” é citar a famosa frase de Proudhon “Propriedade é roubo” e fazer acusações de “entrismo anarco-capitalista”, sem se preocupar em considerar como a palavra está sendo usada.

É uma pena que seja necessário dizer isso, mas “propriedade” é uma palavra que é usada por diferentes pessoas para significar coisas diferentes. Posso concordar sinceramente com Proudhon que propriedade é roubo, como ele quis dizer com a palavra “propriedade”, embora também reconheça a indispensabilidade da “propriedade” no sentido de um conjunto de regras sociais que regem a prioridade de acesso a recursos materiais escassos. Nesse último sentido, nunca houve, nem nunca haverá, uma sociedade sem regras de propriedade. A mais pura sociedade libertária comunista ou sindicalista imaginável seria incapaz de existir sem regras de propriedade de algum tipo; mesmo em tal sociedade, algum indivíduo aleatório na rua não poderia simplesmente entrar na Oficina de Máquinas do Povo nº 37 e começar a mexer em uma fresadora.

Aqueles que se opõem à própria palavra “propriedade” confundem o mapa com o terreno. É o mesmo tipo de fixação acrítica em palavras, sem contexto ou matizes de significado, que leva Birchers a insinuar (com base na discussão de Marx sobre “estágios inferiores” e “estágios superiores do comunismo” na Crítica do Programa de Gotha) que a social-democracia é “realmente” uma etapa temporária no caminho para o comunismo de estilo soviético.

De um modo geral, as teorias de princípios da propriedade da terra fazem distinções análogas à que Proudhon fez entre “propriedade” e “posse” – embora não tracem o limite no mesmo lugar.

Thomas Hodgskin, um defensor liberal clássico dos mercados livres e uma das primeiras figuras do movimento socialista, distinguia (em um livro intitulado, apropriadamente, The Natural and Artificial Right of Property Contrasted) os “direitos naturais de propriedade” (que resultou na propriedade de uma pessoa do produto de seu trabalho, e da terra que estava cultivando) dos “direitos artificiais de propriedade” que davam ao proprietário o direito de extrair rendas do produto do trabalho de outras pessoas. No caso da propriedade da terra, o direito do agricultor à terra que ele estava realmente usando para se alimentar era um direito de propriedade natural; as reivindicações de propriedades desocupadas pela nobreza e pequena nobreza britânicas, por outro lado, eram um direito de propriedade artificial – e ilegítimo.

Franz Oppenheimer, outro tipo de socialista de livre mercado, fez uma distinção semelhante em O Estado entre “apropriação natural” e “política” da terra. Uma terra é naturalmente apropriada, quando colocada para em uso direto por uma pessoa; um terreno vazio é politicamente apropriado quando demarcado sem a intenção de utilizá-lo para uso próprio e é cobrado tributo de quem o utilizou de fato. A grande maioria da propriedade da terra, argumentou Oppenheimer, teve sua origem na apropriação política. Albert Jay Nock, fortemente influenciado por Oppenheimer, usou “propriedade feita pelo trabalho” e “propriedade legal” em um sentido quase idêntico.

Alguns dos anarquistas individualistas, ao longo de suas carreiras intelectuais, em determinados momentos pediam a abolição da “propriedade” (no sentido de Proudhon) e em outros defendiam a “propriedade” (com base na posse e uso pessoal), sem qualquer mudança real na essência de suas posições.

II. Áreas de Comunalidade

Neste artigo, minhas comparações serão entre a posse de ocupação e uso e outras teorias de princípio ou sistemas de regras para a propriedade da terra. Na categoria de teorias “de princípio” ou regras eu incluo ocupação e uso, lockeanismo com e sem cláusula e georgismo – basicamente tudo, exceto os direitos de propriedade legalmente definidos atualmente em vigor no Ocidente e grande parte do resto do mundo. Embora eu não os discuta muito aqui, também incluo sistemas de direitos de propriedade sindicalistas, comunistas libertários e semelhantes, na medida em que vêem a ocupação e o trabalho como a fonte dos direitos de posse e defendem a posse individual ou em grupo contra invasão. Pelos padrões de qualquer um dos sistemas de direitos de propriedade mencionados, a grande maioria dos títulos de terra existentes são ilegítimos.

Pelo próprio fato de terem princípios – ou seja, tentar lidar de maneira justa com certas características objetivas exclusivas da terra – os vários sistemas de princípio terão áreas consideráveis de semelhança que enfatizarei ao longo deste artigo.

Todas as teorias de princípio de direitos de propriedade sobre a terra são tentativas insatisfatórias de garantir os direitos dos indivíduos ao produto de seu trabalho quando ele é misturado com a terra – da mesma maneira que quando eles misturam seu trabalho com recursos naturais para criar objetos móveis – dados os obstáculos únicos apresentados pela terra. As dificuldades são que 1) a própria terra não é replicável e há um suprimento finito de locais, e 2) uma vez misturado com a terra, o trabalho de uma pessoa não é mais móvel se ela decidir puxar as estacas e sair. Adiarei a discussão das dificuldades decorrentes da irreversibilidade de se misturar o próprio trabalho na terra até uma seção posterior.

Quanto ao suprimento finito de locais, este aspecto único da terra se reflete no fato de que nenhum sistema de princípios de regras de propriedade permite que um proprietário ausente simplesmente absorva e cerque terras vazias e não desenvolvidas sem colocá-las em uso, a fim de cobrar aluguel daqueles que de fato o fazem. Todos os sistemas de princípio têm o mesmo padrão de apropriação inicial da terra virgem: ocupação e uso, ou (na frase de Locke) misturar seu trabalho com o solo.

O georgismo é um caso atípico a esse respeito, pois, por razões práticas, reconhece títulos de propriedade de jure existentes descendentes da apropriação ilegítima, mas usa a tributação do valor da terra para obter os mesmos resultados que a redistribuição real de terras detidas ilegitimamente. Não obstante, o próprio Henry George reconheceu em princípio (e apoiou-o com exemplos históricos em Progresso e Pobreza) que a apropriação inicial por qualquer meio que não a mistura de trabalho era ilegítima, e seus discípulos Oppenheimer e Nock examinaram em muito mais detalhes a história e os efeitos econômicos da apropriação ilegítima.

III. A questão da propriedade comunal

Embora haja alguma continuidade entre os membros fundadores da Aliança da Esquerda Libertária e do Centro para uma Sociedade sem Estado e o antigo Movimento da Esquerda Libertária de viés Rothbardiano de Esquerda de Samuel Konkin III, o ALL / C4SS em si não é, de forma alguma, oficialmente uma organização Austríaca ou Rothbardiana. Eu próprio vim de uma posição individualista Tuckerista fortemente socialista e sou a favor da posse da terra por ocupação e uso, e vários de nossos outros escritores vêm de tradições anarquistas sociais. No entanto, acho que o Lockeanismo sem Cláusula de Rothbard é provavelmente mais representado entre os nossos escritores do que qualquer outra posição isolada.

E a versão dessa posição defendida por seus representantes no C4SS, pelo menos, ilustra outra área de comunhão com outras tradições mais à esquerda: um respeito pela propriedade comum ou comunal. Roderick Long, por exemplo, argumentou em 1996 a favor da “propriedade pública” não governamental – isto é, “propriedade à qual é considerado que o público em geral possui o direito de acesso”.

“Considere uma aldeia perto de um lago. É comum os moradores descerem até o lago para pescar. Nos primeiros dias da comunidade era difícil chegar ao lago por causa de todos os arbustos e galhos caídos no caminho. Mas com o tempo, o caminho é desobstruído e uma trilha se forma – não por meio de qualquer esforço coordenado centralmente, mas simplesmente como resultado de todos os indivíduos que caminham por ali dia após dia.

O caminho aberto é o produto do trabalho – não o trabalho de qualquer indivíduo, mas de todos juntos. Se um morador decidisse tirar vantagem do caminho agora criado, estabelecendo um portão e cobrando pedágios, ele estaria violando o direito de propriedade coletiva que os moradores juntos conquistaram.

* * *

Visto que os coletivos, assim como os indivíduos, podem misturar seu trabalho com recursos não proprietários para tornar esses recursos mais úteis para seus propósitos, os coletivos também podem reivindicar direitos de propriedade por apropriação original.”(1)

Embora eu não seja um Lockeano sem Cláusula ou adepto da Economia Austríaca, argumentei da mesma forma que Roderick pela legitimidade da propriedade comunal da aldeia em sistemas de campo aberto que outrora predominaram em grande parte do mundo. Em áreas assentadas que foram agrícolas desde antes da história registrada, é provável que as aldeias primeiro introduziram a agricultura de campo dividindo as terras circundantes em comum e seguiram algum regime de redivisão periódica em faixas de furlong(2) desde o início, e da mesma forma aradas e colhidas em grupos comuns. Em outros casos (como observado por Kropotkin em Ajuda Mútua), grupos nômades (por exemplo, celtas e alemães migrantes no norte da Europa) ou colonos de aldeias que cresceram muito estabeleceram novas aldeias em áreas devastadas e dividiram a terra como um esforço comunitário.

Nesses casos, a terra foi inicialmente apropriada por ato comunitário de homesteading, sem direitos individuais definidos a lotes específicos, exceto o número habitual de faixas em cada campo que pode ser alocado a uma determinada família (mas sem especificação de onde no campo eles podem estar de uma redivisão para a próxima). E, em tais casos, qualquer fechamento privado de uma alíquota de terra por um indivíduo ou família, sem o consentimento unânime da aldeia, seria uma violação dos direitos de propriedade coletiva de todos os outros na terra como uma única unidade. Por esse motivo, as chamadas “reformas” de Stolypin na Rússia foram uma violação dos direitos de propriedade comunal do Mir tanto quanto o foi quando Stalin forçou sua fusão em fazendas coletivas.

Vários de nós no C4SS são estudantes e admiradores de Elinor Ostrom (Steven Horwitz, que participou de nosso último intercâmbio mútuo, também demonstrou um respeito bem-vindo pelo trabalho de Ostroms sobre recursos naturais comuns).

Esta disposição de reconhecer a apropriação conjunta de terras e recursos naturais (em formas históricas como sistemas de campo aberto de vilas, pastagens e resíduos comuns, direitos de passagem públicos e bens comuns da cidade, pesca comum, etc.) é um novo contraste para todos os muitos libertários de direita que insistem que a propriedade só pode ser possuída por indivíduos (mais notavelmente a afirmação de Ayn Rand de que o roubo de terras tribais nativas americanas por colonos europeus foi justificado porque eles não acreditavam em nenhuma forma “legítima” de direitos de propriedade).

Um libertário de direita que insiste que apenas indivíduos podem possuir propriedade legitimamente seria fortemente pressionado a defender a forma corporativa como existia na lei americana no último século e meio. Uma parte das ações não é, legalmente falando, uma parte da propriedade da corporação. Os ativos da empresa não são propriedade dos acionistas, isoladamente ou em conjunto. São, ao contrário, propriedade coletiva de uma pessoa jurídica fictícia conhecida como corporação, propriedade de ações nas quais conferem alguns direitos extremamente limitados (e muitas vezes teóricos) de governança sobre o que é, na prática, uma oligarquia que se autoperpetua como o Politburo(3). Os diretores e a alta administração não são agentes dos acionistas, legalmente falando, mas administram a propriedade coletiva da corporação em nome da pessoa fictícia que representam.

IV. Dificuldades Práticas

Para repetir minha afirmação anterior, todas as teorias de princípio são tentativas insatisfatórias de garantir os direitos do indivíduo, na medida do possível, ao seu trabalho que está misturado com a terra. Digo “insatisfatório” porque todo regime de direitos de propriedade sobre a terra, dada a natureza única do caso, é insuficiente em alguns aspectos e superior em outros. Como a terra não é portátil e a mão-de-obra misturada a ela na forma de edifícios e melhorias do solo, etc., não pode ser separada dela, qualquer regime de direitos de propriedade específico deve proteger bem a mão de obra incorporada de um usuário em alguns casos às custas de protegê-la mal em outros.

Por exemplo, em um sistema de ocupação e uso mutualista, um proprietário pode vender um pedaço de terra pegando dinheiro no momento da transferência real de posse; mas a exigência de manter a posse e transferência no momento real da venda obviamente reduzirá o poder de negociação do proprietário e tornará mais difícil recuperar o valor dos edifícios e melhorias durante o tempo de propriedade. Por outro lado, sob um sistema lockeano, um inquilino que cultiva a terra em uma propriedade alugada deve abandonar quaisquer melhorias que fizer no solo durante o período de locação.

Algumas críticas práticas da posse de ocupação e uso, entretanto, são errôneas, senão insinceras. A frequente versão espantalho da ocupação e uso apresentada pelos críticos, em que a reivindicação do proprietário é ameaçada cada vez que ele deixa a propriedade, é um absurdo óbvio. Quaisquer que sejam as convenções específicas para determinar o abandono em uma determinada comunidade, elas refletirão os precedentes estabelecidos pelos júris locais, ou por quaisquer outros arranjos judiciais elaborados pelos vizinhos. E dado que qualquer sistema de regras elaborado refletirá os interesses de uma comunidade de pequenos proprietários-ocupantes, ele terá o objetivo primordial de evitar o crescimento da propriedade ausente em grande escala, enquanto é projetado para funcionar praticamente sem causar inconveniências desnecessárias para o membro médio da comunidade. É incompreensível que um júri livre do bairro, um mediador de disputas comumente aceito, ou qualquer outra máquina judicial representativa de uma população local de pequenos usuários-ocupantes, crie um conjunto de jurisprudência que expõe a pessoa média a um risco de desapropriação sempre que ela tirasse longas férias.

V. Mutualismo vs. Georgismo

Devo começar expressando minha admiração por grande parte da análise georgista do aluguel, mesmo que eu seja morno na melhor das hipóteses sobre as soluções propostas. A teoria ricardiana da renda diferencial, que (expandida para incluir a renda de localização diferencial, bem como a renda de fertilidade) é a base para a análise georgista, é uma contribuição da economia política clássica que a economia marginalista – ao incluir a terra sob o capital – descartou em seu próprio detrimento. A teoria ricardiana / georgista da renda diferencial desempenha uma importante função explicativa, e o marginalismo moderno é inferior à economia política clássica, na medida em que a abandonou por causa da elegância teórica.

E virtualmente todas as críticas austríacas à posição georgista que eu vi mostram uma falha fundamental em compreender quais são os verdadeiros argumentos georgistas. A crítica austríaca mais comum, de longe, cita coisas como edifícios de vários andares e plataformas offshore como exemplos de “novos terrenos” sendo criados, como um desafio à suposição clássica de que terrenos – ou melhor, locais localizados favoravelmente a qualquer área particular – são finitos. Na verdade, edifícios de vários andares e plataformas offshore são ilustrações do que exatamente Henry George quis dizer com aluguel diferencial. Quando a oferta existente de localizações privilegiadas, que podem ser usadas como estão, com pouco ou nenhum custo adicional de mão de obra ou capital para torná-las utilizáveis, se esgota, torna-se necessário expandir a margem e desenvolver localizações anteriormente não utilizadas que se tornam utilizáveis apenas com maiores despesas de trabalho e capital (por meio de adicionar mais andares aos edifícios a um custo por metro quadrado maior do que o primeiro andar). Quanto maior o custo em mão de obra e capital para fazer essa chamada “nova terra” em comparação com os locais originais que foram fornecidos gratuitamente pela natureza, maior será a renda diferencial não auferida acumulada nesses locais originais.

No entanto, eu me afasto dos georgistas quando se trata de sua solução preferida de socializar o aluguel da terra por meios como a tributação do valor da terra. Eu não descarto, por uma questão de princípio, a possibilidade de propriedade da terra da comunidade e cobrança de aluguel pela comunidade em uma sociedade sem Estado. Mas, porque tornaria a posse continuada de todos das terras que ocupavam e usavam dependente de sua capacidade contínua de pagar o aluguel da terra para a comunidade, na prática colocaria toda a comunidade de ocupantes-usuários em uma posição permanentemente precária. Meu objetivo, ao dar ao ocupante-usuário segurança na posse contra o locador ausente, não é colocá-lo em uma nova posição de insegurança de posse em relação à comunidade.

Acredito que grande parte dos benefícios de um imposto sobre o valor da terra poderia ser alcançada de forma mais simples: 1) tornando imediatamente todas as terras vagas e não melhoradas que estão atualmente fora de uso abertas para apropriação original, e assim efetivamente mudando a margem de cultivo para dentro; e 2) encerrar todas as externalidades positivas que resultam no aumento do valor da terra. O primeiro item precisa de pouca explicação. À medida que os terrenos baldios em áreas desenvolvidas são abertos para o desenvolvimento ou reutilização, a parte do aluguel em terrenos com localização favorável que resulta da escassez artificial irá desaparecer. E, à medida que uma parcela maior da população consegue viver mais perto do trabalho e das compras e a parcela relativa da população em áreas menos favoráveis diminui, a renda diferencial nas áreas mais favoráveis diminuirá.

A segunda é um pouco menos óbvia. O aluguel diferencial acumulado por imóveis comerciais residenciais é em grande parte uma função da distância entre eles e as pessoas que desejam obtê-los. Quanto maior a distância que deve ser percorrida por quem mora mais longe das áreas comerciais vizinhas, maior será o aluguel que será acumulado nas localidades mais próximas a elas. Portanto, qualquer coisa que promova a expansão – distâncias médias maiores entre as coisas e a separação espacial entre áreas comerciais e residenciais – também inflará os aluguéis de imóveis internos. É uma questão de geometria simples. Os subsídios às rodovias ou ao transporte coletivo de fontes que não sejam cobradas aos usuários reais e os regulamentos de zoneamento que obrigam a separação artificial de propriedades residenciais e comerciais em diferentes áreas da cidade terão o efeito de aumentar o aluguel diferencial. Por outro lado, financiar rodovias e transporte público inteiramente com taxas de usuário baseadas no custo, estendendo conexões de serviços públicos a novos bairros com custo total e eliminando barreiras legais para o desenvolvimento de uso misto, como centros comerciais de bairro, tudo tenderá a reduzir o aluguel diferencial aproximando espaço de vida e espaço de trabalho / compras.

É claro que sempre existirá alguma quantidade residual de aluguel diferencial, tanto de fertilidade superior quanto de localização favorável. Mas acredito que a abertura de terrenos baldios, juntamente com a eliminação de subsídios à expansão, reduzirá o valor da renda diferencial a níveis aceitáveis. O aluguel restante será “injusto”, no mesmo sentido que as rendas mais altas que continuam a ir para aqueles com habilidades inatas superiores não adquiridas, mesmo após a abolição do privilégio legal. Mas o uso da taxação do valor da terra para eliminar esse valor residual do aluguel, na minha opinião, seria uma cura pior do que a doença.

VI. Somos todos mutualistas?

No nível mais geral e teórico, o lockeanismo e a ocupação e uso parecem à primeira vista ser pólos opostos em seus requisitos para manter a propriedade de um pedaço de terra. Mutualistas requerem ocupação e uso contínuos como critério de propriedade, enquanto os Lockeanos consideram um pedaço de terra permanentemente apropriado pela adição inicial de trabalho – independentemente de a ocupação ser mantida – até que o proprietário desista de reivindicá-lo por morte, presente ou venda.

Mas, na prática, qualquer sistema lockeano no mundo real terá que incluir padrões para o abandono construtivo, para que uma grande parte das terras do mundo não termine em um status análogo a “obras órfãs” sob a lei de direitos autorais (isto é, presumivelmente ainda ser propriedade privada de alguém, apesar de estar vago e sem uso por décadas, porque já foi propriedade de alguém e a propriedade nunca foi formalmente transferida para outra pessoa). Mesmo se o proprietário declarasse explicitamente sua intenção de retornar e retomar a posse em algum tempo futuro indefinido, seria necessário, após algum tempo, a comunidade assumir que o proprietário havia mudado de ideia, ou talvez morrido, sem notificar ninguém; do contrário, a apropriação seria irreversível e uma parcela cada vez maior de terras vazias cujos proprietários as haviam deixado cairia nas mãos mortas da propriedade presumida para sempre.

Então – novamente – na prática, o fato de que os padrões para o abandono construtivo seriam em grande medida uma questão de convenção local, com uma ampla gama de limites possíveis para o abandono do mais liberal ao mais rigoroso, significa que o lockeanismo e a ocupação e uso realmente diferem apenas em grau e não em espécie. Ou, em outras palavras, o lockeanismo é ocupação e uso, mas com requisitos de ocupação um pouco mais brandos para manter a propriedade do que a maioria dos defensores explícitos da ocupação e uso exigem.

Bill Orton, um tanto incomum para um autoproclamado anarcocapitalista, descreveu como diferentes graus de “pegajosidade”.

“Em ambos os sistemas [isto é, o “grudento” (Lockeano) e o “não-grudento” (socialista/usufruto)], existem, na prática, exceções bem conhecidas. Sistemas de propriedade grudenta reconhecem o abandono e a recuperação; o usufruto permite que as pessoas se ausentem durante algum período de graça, sem renunciarem à propriedade e, claro, permite o comércio. Você poderia mesmo ver os dois sistemas como um contínuo de um limite alto a um baixo para determinar o que constitui ‘abandono’”

Propriedade lockeana e mutualista são “a mesma coisa… com parâmetros diferentes” para o período de tempo necessário para estabelecer o abandono. (4)

E a ampla gama de padrões de pegajosidade possíveis no próprio lockeanismo sem cláusula é evidenciada de maneira surpreendente pelo fato de que a maioria dos libertários esquerdistas Lockeanos sem Cláusula da ALL e do C4SS tendem a ter padrões significativamente mais baixos – para o abandono construtivo e dar aos ocupantes de terras deixadas fora de uso por um tempo considerável um maior benefício da dúvida – em relação ao que é típico daqueles da direita libertária.

VII. Execução

Parece provável que os regimes de propriedade da terra serão policêntricos na medida em que os costumes da maioria variam de uma localidade para outra, porque na ausência de um único regime jurídico imposto por um grande estado territorial, as reivindicações de propriedade dependerão da disposição das comunidades locais em aplicá-los. E em um regime jurídico policêntrico em que toda a execução é financiada endogenamente (pelos beneficiários, em oposição à externalização do custo para a sociedade em geral por meio de financiamento exógeno de receitas gerais), a exequibilidade das reivindicações de propriedade dependerá que o valor econômico potencial da propriedade seja suficiente para justificar os custos de execução.

A imposição de regimes de direitos de propriedade não-estatais está sujeita aos mesmos custos de transação proibitivos que James Scott atribuiu à imposição da governança estatal em espaços não-estatais, em The Art of Not Being Governed. Todas as formas de governança acarretam custos de transação. Os Estados (e as classes dominantes econômicas protegidas pelo Estado) diferem principalmente em sua capacidade de transferir esses custos para terceiros e, assim, tornar a aplicação de sua autoridade e privilégios artificialmente eficazes em termos de custos.

Assim, por exemplo, uma associação de defesa mútua ou uma empresa de segurança privada ancap em uma comunidade Lockeana provavelmente terão uma cláusula de exclusão contra a cobrança de aluguel pelo proprietário ausente contra um ocupante em uma comunidade mutualista, ou proteger os proprietários contra a cobrança do aluguel da terra em uma comunidade georgista – ou, além disso, restaurar um dono de fábrica despojado em uma comunidade sindicalista ou comunista. Da mesma forma, as associações de defesa mútua em comunidades de ocupação e uso provavelmente se recusarão a proteger os ocupantes de terras em uma comunidade lockeana contra os coletores de aluguel.

E ocupação e uso é o provável padrão para a maioria das áreas rurais pouco povoadas simplesmente porque o provável potencial econômico da terra em tais lugares será insuficiente para justificar os custos de fazer valer a posse ausente contra sem-tetos.

Conclusão

Eu considero que um sistema declaradamente baseado na ocupação e uso, no qual um pedaço de terra se torna aberto para apropriação original após algum período razoável de desocupação, é o mais desejável porque ele considera explicitamente a propriedade baseada na ocupação como seu objetivo e facilita isso através de uma quantidade mínima de ajudicação ou outras complicações. No entanto, acredito que um sistema lockeano de princípio com até mesmo um limite de tempo relativamente alto e ônus da prova para o abandono construtivo, abrindo todas as terras vazias e não reformadas para homesteading imediato, contribuiria muito para reduzir o aluguel médio da terra e permitiria a uma parcela significativa da população viver totalmente livre de aluguel. O efeito combinado aumentaria a dificuldade de adquirir grandes extensões de terra contíguas e reduziria muito o efeito de “juros compostos” do aumento do aluguel da terra sobre si mesmo. Ao fazer isso, mesmo um regime estritamente lockeano tornaria a absorção da maioria das terras por proprietários ausentes muito menos provável do que atualmente.

E isso é ainda mais verdadeiro para os lockeanos libertários de esquerda, que, pelo que tenho visto, apóiam limites relativamente baixos de abandono que favorecem os direitos dos ocupantes em casos como a Fazenda Centrosul em Los Angeles – sem mencionar o alto ônus da prova sobre reivindicações de propriedade para coisas como terrenos baldios em áreas urbanas.

Então, em termos práticos, vejo mutualistas e lockeanos de princípio como unidos por mais coisas do divididos.


Notas:

1. LONG, In Defense of Public Space, 1996. [https: //www. panarchy. org/rodericklong/publicspace. html] (N.T.);

2. O furlong é uma unidade de comprimento do sistema imperial de medidas. O nome completo da unidade é surveyor furlong, e equivale a 201,168 metros (Wikipédia). (N.T.);

3. Um politburo ou Bureau político é o comitê executivo dos partidos comunistas (Wikipédia). (N.T.);

4. O material citado apareceu originalmente em painéis de mensagens no Anti-State. com. É citado aqui do Capítulo Cinco do meu livro Estudos em Economia Política Mutualista (2007). (N.A.).




Source: C4ss.org